Pesquisa Sobre Modelo Mental das Lideranças

O objetivo da pesquisa é analisar com profundidade o modelo mental das lideranças nas categorias planejamento, informação, gestão e resultados.

O método de pesquisa não engloba apenas ouvir os líderes, mas participar do campo e viver as práticas do seu dia a dia. Os discursos e as práticas dos líderes demonstram contradições interessantes. Vamos a elas:


1. DISCURSO: O LÍDER É UM PLANEJADOR REFLEXIVO E SISTEMÁTICO. O discurso - ou imagem comum - retrata o líder, que pode ser o diretor, gerente ou supervisor, sentado em sua mesa, com pensamentos profundos e grandiosos, como uma pessoa que toma importantes decisões e planeja sistematicamente o futuro.


REALIDADE: O LÍDER COMO PRISIONEIRO DA ROTINA. Os líderes trabalham em um ritmo implacável, suas atividades geralmente se caracterizam por brevidade, variedade, fragmentação e descontinuidade. Eles são fortemente orientados para a ação, tornando-se prisioneiro das rotinas, não tendo tempo para o processo da estratégia, assim, frágil em perceber oportunidades transformadoras da empresa.


2. DISCURSO: O LÍDER DEMANDA E DEPENDE DE INFORMAÇÕES AGREGADAS PARA TOMADA DE DECISÃO, CUJA MELHOR FONTE É UM SISTEMA FORMAL. A imagem e os discursos clássicos relacionam à tomada de decisão do líder apoiado e recebendo informações de um SIG – Sistema de Informação Gerencial, formal e abrangente. Mas, essa não é a realidade.


REALIDADE: OS LÍDERES EM SUA MAIORIA DESCONHECEM MÉTRICAS E TENDEM A PREFERIR MEIOS INFORMAIS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. A maioria dos líderes desconhecem métricas básicas de suas empresas como lucratividade do negócio, do portfólio, precificação e outros. Tomam decisões baseadas em informações não numéricas, o boato, às vezes a fofoca e a especulação representam boa parte da sua dieta informacional, minando sua capacidade de julgar e agir com clareza.



ROGÉRIO MONTEIRO

Diretor da Innovare Estratégia. Administrador, Doutor em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC-SP.

REFERÊNCIAS - Mintzberg, Henry. Managing. Porto Alegre, Bookman, 2010. - Kahneman, Daniel. Rápido e devagar – duas formas de pensar. RJ, Objetiva, 2012.